Federação dos policiais federais quer retratação pública de Segovia

A Federação Nacional dos Policiais Federais declarou, neste sábado(10) que o diretor-geral da PF, Fernando Segovia, deve uma ‘retratação pública’ sobre as declarações que deu a respeito do inquérito do Decreto dos Portos.

Segovia afirmou à agência Reuters, que a tendência é que as investigações contra o presidente Michel Temer sobre os Portos sejam arquivadas.

Diante das declarações, o ministro Luís Roberto Barroso, relator inquérito na Corte, intimou Segovia a explicar as afirmações feitas na entrevista. Para Barroso, a conduta de Segovia “é manifestamente imprópria e pode, em tese, caracterizar infração administrativa e até mesmo penal”.

Barroso entendeu que o diretor da PF ameaçou o delegado responsável pelo caso, “que deve ter autonomia para desenvolver o seu trabalho com isenção e livre de pressões”.

O ministro observou também que a investigação ainda tem diversas diligências pendentes, “razão pela qual não devem ser objeto de comentários públicos” e que, como relator do caso, ainda não recebeu relatório final” do delegado Cleyber Malta Lopes nem parecer da Procuradoria-Geral da República -PGR, responsável pela investigação.

Os sindicatos dos delegados de polícia e da PF de São Paulo e a associação dos delegados de polícia do estado divulgaram nota conjunta defendendo o delegado que preside o inquérito dos portos,diz O Antagonista.

Qualquer espécie de ameaça às prerrogativas de um Delegado de Polícia, previstas na Constituição Federal, deve ser rechaçada imediatamente a fim de que se preserve a função fundamental desse agente público, que é a de buscar a verdade de forma incansável e legalista para que sua decisão seja a mais justa possível não só para o investigado como para toda a sociedade.”

Ainda segundo o site, “a assessoria da Polícia Federal informou que Fernando Segovia responderá “diretamente” à intimação de Luís Roberto Barroso na quarta-feira(14), depois do Carnaval”.

mudancadeparadigmas.com