Lama da Samarco destruiu 237 campos de futebol de Mata Atlântica em MG

Segundo levantamento do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e Fundação SOS Mata Atlântica, a lama despejada na região de Mariana (MG) após o rompimento da barragem da Samarco desmatou 169 hectares de Mata Atlântica, área equivalente a 237 campos de futebol.

O desastre foi responsável pela maior parte da perda de cobertura vegetal na área entre 2014 e 2015.

Minas Gerais foi o Estado que mais desmatou vegetação da Mata Atlântica nos últimos dois anos entre 2014 e 2015 , segundo o “Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica” divulgado nesta quarta-feira(25), e a principal causa , segundo o estudo, seria a atividade de mineração.

Somente na região de Mariana (MG), onde a atividade extrativa mineral é largamente explorada, 258 hectares foram desmatados. Desse total, o rompimento da barragem de Fundão, da mineradora Samarco, responde por 65%. Fundão é considerado o maior desastre ambiental na história do país.

Estas informações sobre a destruição de Mata Atlântica na região, além de um diagnóstico das condições da bacia do rio Doce, foram entregues há duas semanas ao ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho, durante visita dele a Mariana.

A Samarco informou que “não teve acesso ao estudo” e disse que o “Termo de Transação e de Ajustamento de Conduta” assinado também pelo governo federal, e pelos Estados de Minas Gerais e Espírito Santo, definiu que deverá ser recuperada uma área de 42 mil hectares na bacia do rio Doce.  Informações: UOL

mudancadeparadigmas.com