MPF vai obrigar Samarco a pagar por fiscalização no Rio Doce

O Ministério Público Federal (MPF) quer cobrar da empresa Samarco os gastos extras de órgãos ambientais na fiscalização da pesca na região da Foz do Rio Doce.

Ligada a Vale e à BHP Billiton, a Samarco é responsável pelo rompimento de uma barragem, no interior de Minas Gerais, em novembro de 2015, que causou danos socioambientais e espalhou rejeitos por 600 quilômetros de rios até o litoral do Espírito Santo. Com o desastre, a pesca chegou a ser suspensa por risco de contaminação do pescado.

Na avaliação do Ministério Público, os custos extras não devem ser pagos pelos impostos da população, uma vez que o desastre é responsabilidade somente da Samarco.

“Com amparo no princípio do poluidor-pagador, todas as despesas geradas pela degradação ambiental, como medidas preventivas, reparatórias e fiscalizatórias devem ser suportadas pela empresa Samarco”, defendeu o procurador regional da República do caso, Roberto Ferreira. Informações: Ultimosegundo.IG

mudancadeparadigmas.com