Palocci a Moro:”Eu me prontifico a falar tudo”

O ex-ministro dos governos Lula e Dilma Antônio Palocci, ao final de seu depoimento, de aproximadamente duas horas, perante o juiz Sergio Moro, “pediu licença” para dizer que está à disposição da Justiça para “falar sobre tudo”.

Afirmou que pode entregar fatos, “com nomes, endereços e operações de interesse da Lava Jato”.

 “Fico à sua disposição. Todos os nomes que optei por não falar aqui por sensibilidade da informação estão à sua disposição para o dia que o senhor quiser. E se o senhor estiver com agenda muito ocupada e determinar uma pessoa, eu imediatamente apresento todos esses fatos, com nome, endereço, operações realizadas e coisas que certamente vão ser do interesse da Lava Jato, que realiza uma investigação de importância”, afirmou o petista, acrescentando que as informações podem abrir um “caminho” que pode render mais um ano de trabalho a Moro. “Mas um trabalho que faz bem ao Brasil”, completou.

Palocci negou, de forma veemente, todos os atos ilícitos pelos quais é acusado e se mostrou disposto a revelar novos casos, segundo a Veja.

Durante o interrogatório, ele deu sinais do que pretende contar aos investigadores. Citou, por exemplo, uma “grande personalidade do meio financeiro” que lhe procurou para falar sobre recursos de campanha em nome de “uma autoridade do primeiro escalão do governo”. Ele ressalvou, no entanto, que não poderia revelar os nomes por estar em uma audiência pública. “Mas, em sigilo, eu lhe falo a hora que o senhor quiser”, disse a Moro.

Palocci foi ministro-chefe da Casa Civil do governo Dilma Rousseff (2011), ministro da Fazenda da gestão Lula (2003 a 2006), e deputado federal por dois mandatos.

mudancadeparadigmas.com