Promotor dá bronca em Emilio Odebrecht e diz:“Está na hora de a gente dizer a verdade, de como a coisa suja é feita. Vamos deixar de historinha”

Um dos donos do Grupo Odebrecht, Emilio Odebrecht, falava sobre o relacionamento da empresa com os ex-ministros da Fazenda Antonio Palocci e Guido Mantega, enquanto prestava depoimento no âmbito da delação premiada e levou uma “bronca” de um dos promotores de Justiça do Ministério Público.

Sérgio Bruno Fernandes , promotor de Justiça do Distrito Federal,cedido às investigações pediu que o delator “deixasse de historinha“, e falasse “as coisas como elas são“.

Questionado sobre as segundas intenções por trás das doações de campanha, o ex-executivo disse que não poderia confirmar se a empresa tentava “manter as portas abertas” com o governo.

“Olha, eu não sei lhe informar. Nem que seja, nem que não seja. Minha percepção é que tinham outras coisas. O que eu tiro é o lado pessoal […] Acho, eu seria leviano de querer afirmar uma coisa que eu não tenho como provar.”

Como resposta, Emílio ouviu uma reprimenda de Fernandes.

Essa ajuda se chama propina, só para o senhor saber. Se o senhor pegar seu carro aqui, for até Salvador, parar em uma blitz e um guarda de trânsito pedir ajuda, o senhor vai achar que isso é uma ajuda? Ou vai achar que isso é uma propina?”, pergunta.

O promotor disse que “essa história de doação de campanha” era, na visão dele, “uma desculpa para se pedir propina e corrupção”.

Então vamos agora deixar de historinha, de conto de fada e falar as coisas como elas são. Está na hora de a gente dizer a verdade, como a coisa suja é feita. Não é possível que um ministro da Fazenda fique pedindo dinheiro todo mês para um empresário. Isso não é admissível”, disse.

E prosseguiu: “ os R$ 300 milhões supostamente pagos a Palocci e Mantega ao longo de seis anos “podia ter sido [gasto] construído escola, hospital e todo esse Brasil que o senhor sonha e quer ver. Esse dinheiro poderia estar lá“.

mudancadeparadigmas.com