Samarco fraudou documentos ao pedir licença de barragem diz Promotoria

BarragemdeMariana110616

O Ministério Público de Minas Gerais em três denúncias que acusam a mineradora, o ex-presidente da empresa, Ricardo Vescovi, e mais nove pessoas de crime ambiental, diz que a Samarco fraudou documentos ao pedir o licenciamento para a barragem do Fundão.

De acordo com a Promotoria, a barragem localizada em Mariana (MG) também não tinha licença ambiental para receber rejeitos de minério da Vale, dona da Samarco junto a anglo-australiana BHP Billiton.

As denúncias foram aceitas pela Justiça de Minas Gerais na quinta-feira (9) e transformou a empresa e as dez pessoas, oito da Samarco e duas da consultoria VogBR, em réus. A informação foi divulgada pelo “Jornal Nacional”, da TV Globo.

“[A VogBR] omitiu informações em estudos submetidos ao licenciamento ambiental“, afirmou o promotor Mauro Ellovitch, um dos integrantes da força-tarefa que apura irregularidades que levaram ao rompimento da barragem. A promotoria mencionou também que a Samarco levou os órgãos ambientais a erro por ter omitido as informações sobre a deposição de rejeitos de minério da Vale em Fundão.

O Ministério Público ainda diz que as obras que eram feitas no local onde a barragem se rompeu não tiveram autorização da Feam (Fundação Estadual do Meio Ambiente), órgão responsável pela fiscalização da estrutura.

Ellovitch afirma que as acusações contra a Samarco e os executivos são pelo crime de “obstar ou dificultar a ação fiscalizadora do Poder Público no trato de questões ambientais”. Informações: Folha de São Paulo

mudancadeparadigmas.com

Se você gostou, compartilhe essa matéria ...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someonePrint this page