Silvio Santos desafia a lei e envia escavadeira para ‘limpar’ terreno, sem permissão da Prefeitura

A Associação Teatro Oficina ,em nota à imprensa,informou que enviou nesta segunda-feira (14) uma notificação à Subprefeitura da Sé requerendo a retirada de uma retroescavadeira do terreno do Grupo Silvio Santos.

O local pertence à Sisan, braço imobiliário do grupo e é motivo de litigio entre a companhia e a empresa do apresentador, há 37 anos.

De acordo com a arquiteta Carila Matzenbacher, do Oficina, o engenheiro responsável pelos trabalhos no Grupo Silvio Santos afirmou aos representantes do teatro que não possuía alvará, mas que a retroescavadeira apenas realizava uma limpeza no terreno,diz Folha.

Eles não estão fazendo apenas uma limpeza, estão fazendo remoção de terra, movimentando a terra. De acordo com o Código de Obras (Lei 16642/2017), artigo 12, inciso VII, isso caracteriza obra e precisa de alvará, ainda mais no entorno de um imóvel tombado, como é o Oficina”, explicou a arquiteta.

O diretor do Teatro,Zé Celso quer manter e concluir o plano da arquiteta Lina Bo Bardi, que previa um parque cultural público em volta do Teatro Oficina, mas morreu antes de terminar o projeto. Silvio Santos, que adquiriu os terrenos em volta do Oficina enquanto Lina fazia a reforma, quer construir ali um empreendimento imobiliário que, além de ameaçar a vista do janelão aberto por ela em uma das paredes de tijolos do edifício, aniquilaria a possibilidade de criar o parque.

mudancadeparadigmas.com